Categorias:

Especial Dia Internacional da Mulher

Ontem foi comemorado o Dia Internacional da Mulher, e apesar de conseguirem muitos direitos, que hoje sabemos serem direitos básicos, vencido muitas batalhas, ainda há muito a ser conquistado. E a cada dia que passa as mulheres vão conquistando espaços e profissões que antes eram apenas masculinas, e hoje o que vamos trazer aqui são mulheres que atuam em áreas como marcenaria, que manuseiam ferramentas e gostam muito do que fazem.

Assumir profissões, normalmente, masculinizadas não se trata apenas de igualdade, mas muitas vezes necessidade e por realmente gostarem de manusear ferramentas.

O primeiro canal que vamos falar sobre é o As Marceneiras. Elas possuem um ateliê que faz peças de madeira em geral e é chamado Ateliê Pedacinho do Céu. Boa parte das peças que fazem são rústicas, mas não deixam de ser lindas. Em seu canal no Youtube mostram alguns passo a passo da fabricação de algumas peças. Confira o Facebook e confira o canal. Confira abaixo um pouco do seu trabalho.

Outro canal muito interessante para incentivar cada vez mais mulheres é o Mulher Marceneira. Esse canal é da Adnéia. Ela conta que começou a manusear ferramentas após o divórcio e tomou gosto por isso comprando cada vez mais ferramentas. Através de tutoriais na internet, se tornou uma hobbista e bricoleira e, hoje, já faz pequenas coisas como guirlandas em madeira, porta temperos.

Passe no canal Mulher Marceneira e confira as dicas.

E não é só na marcenaria que as mulheres estão se engajando. No mercado, já existem empresas “faz tudo” só com mulheres. Em São Paulo, a Ana Luisa abriu sua própria empresa, a M’Ana, onde oferece serviços de manutenção para mulheres feita para mulheres. Em sua página no Facebook é possível encontrar dicas e os serviços que elas prestam. Passe por lá e confira!

Nos três casos listados acima, as mulheres profissionalizaram um hobby e continuam se aperfeiçoando. Que elas se tornem inspiração para que cada vez mais mulheres ingressem no mundo das ferramentas e que não sejam lembradas apenas no Dia Internacional da Mulher.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *